Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

O preço das publicações já inclui a postagem como carta simples.

Envie por e-mail o número da agência onde for feito o depósito, seu pedido  e o endereço para entrega.

Contato
editora@marcadefantasia.com
www.marcadefantasia.com











Se Toque: uma revista Alternativa

Se Toque: uma revista alternativa
Henrique Magalhães & Sandra Albuquerque
Série Veredas, 16. João Pessoa: Marca de Fantasia: 2010. 70p. Ebook em pdf. R$5,00.
ISBN 978-85-7999-013-7.

A década de 1980 foi um celeiro para projetos culturais, novas ideias e experimentações. Na política, vivia-se o clima de mudanças, com o relaxamento da repressão militar e a propagação das causas dos grupos de minoria.

Se a imprensa alternativa sofria seu refluxo no aspecto de contestação ao regime político, novas tendências começavam a tomar forma. Uma imprensa setorizada irrompia com força, enfocando os mais diversos aspectos da vida e da cultura. Os fanzines ganharam projeção e se firmaram como veículos “democráticos” (cada leitor poderia ter o seu) e as revistas independentes brotavam nos mais recônditos recantos do país.

Foi movida por essa onda que surgiu em João Pessoa a revista Se Toque, de crítica e informação cultural. Se Toque pretendia suprir as brechas do jornalismo cultural da cidade, muito mal trabalhado pelos diários locais. De início, o duplo desafio: provar que a cidade possuía uma agitação cultural digna de um veículo informativo e enfrentar a luta de produzir uma revista semanal fora do esquema “oficial”.

A Se Toque circulou por 32 números, gerou polêmicas, criou casos, veiculou inúmeros eventos culturais, abriu espaço para a crítica e o debate. Além desses feitos até surpreendentes para uma pequena revista independente, a Se Toque mobilizou estudantes, jornalistas e intelectuais que contribuíram, sem dúvida, para um momento muito singular de nossa imprensa.

É para traçar a trajetória dessa revista que Sandra Albuquerque apresenta um ensaio descrevendo os principais aspectos que nortearam sua edição. Num estudo complementar, o editor Henrique Magalhães traça os meandros dos conflitos e resoluções que definiram a Se Toque como uma revista “alternativa”.

H. Magalhães

   Mais obras sobre Comunicação pela Marca de Fantasia
O príncipe lê jornais: cotidiano e poder no jornalismo impresso
Wellington Pereira (org)
2008. 100p. 13x19cm.
Artigos sobre mídia e cotidiano.
O documentário paraibano no cinema brasileiro
Lúcio Vilar & Cecília Porto (orgs)
2007. 52p. 13x19cm.
Textos sobre Aruanda, filme paraibano deflagrador do Cinema Novo.
O Sertão é coisa de cinema
Matheus Andrade
2008. 76p. 13x19cm.
A representação do Sertão nordestino no cinema brasileiro.
Polarizações do jornalismo cultural
Marina Magalhães
2008. 80p. 13x19cm.
Ensaio sobre jornalismo cultural.
Crossmídia e Transmídia no Jornalismo: convergência, memória e hipermídia no Globo Esporte
Allysson Viana Martins
2011. 151p. Ebook em pdf grátis, sob demanda.




 INDEX  EDITORIAL  ÁLBUNS  LIVROS  REVISTAS  CAMARADAS