Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 9.8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Tirinha: a síntese criativa de um gênero jornalístico
Tirinha: a síntese criativa de um gênero jornalístico
Marcos Nicolau
Série Quiosque, 19.
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2007. 68p. 12x18cm. R$15,00
ISBN 978-85-87018-72-4

As tirinhas com seu conteúdo ao mesmo tempo crítico e humorístico são uma marca incontornável da linguagem das histórias em quadrinhos. Elas foram responsáveis pela disseminação dos quadrinhos pelo mundo, popularizando-os por meio de sua veiculação nos jornais diários. As personagens caricaturais, mas cativantes, as tiradas surpreendentes e de leitura rápida, próprias desse gênero de quadrinhos, contribuíram sobremaneira para a formação do público e para a confirmação de uma nova força expressiva nos meios de comunicação de massa.

Surpreende-nos que, apesar da popularidade das tiras e de seu rico repertório de personagens, raros pesquisadores tenham se dedicado a estudar o fenômeno. Talvez o fato de as histórias em quadrinhos terem amargado a desconfiança do meio acadêmico e da sociedade em geral durante tantas décadas tenha contribuído para que até há pouco elas ainda fossem consideradas como uma subliteratura, um mero passatempo muitas vezes acusado de deletério à infância e à juventude.

Se as histórias em quadrinhos já gozam por alguns estudiosos do status de arte – a nona arte, como querem os franceses –, as tiras diárias humorísticas ainda são vistas como entretenimento, colocadas ao lado dos passatempos que amenizam a sobriedade dos jornais. É bem verdade que muitas tiras publicadas no país, que nos chegam por intermédio das distribuidoras estadunidenses, não passam de pura derrisão, alienadas do contexto político e social. Essa superficialidade é quase uma condição para que a tira possa se inserir nos mercados de diversos e díspares países.

Mas o que dizer das tiras brasileiras produzidas a partir da década de 1970? Elas trazem consigo um conteúdo quente, de crítica política e de costumes, retratando com aguçada ironia os paradoxos de nossa sociedade. Esse tipo de tira humorística transita entre a charge e o cartum, sendo ao mesmo tempo atual e intemporal, como ocorre com Rango, de Edgar Vasques e Zeferino, de Henfil.

O trabalho de Marcos Nicolau se debruça a investigar a tira quanto a sua importância para o jornalismo, classificando-a como um gênero opinativo de mesmo nível que um editorial. Esta premissa segue o mesmo pensamento de Erico Veríssimo, que na apresentação do primeiro livro de Rango, de Edgar Vasques, considera que cada uma de suas histórias em quadrinhos vale por um editorial de jornal, “mas um editorial realista, corajoso e pungente”. A proposta de Marcos é amplamente válida e abre margem ao desenvolvimento de outros estudos sobre o tema. Um olhar livre sobre as tiras é mais que recomendável e urgente para resgatar do ostracismo acadêmico uma das expressões mais originais e criativas de nossa capacidade reflexiva.

H. Magalhães

  Mais obras sobre fanzine pela Marca de Fantasia
Falas & Balões: a transformação dos textos nas Histórias em Quadrinhos
Marcos Nicolau
Estudo com enfoque nos textos das HQ de aventura.
Calvin & Haroldo: metáfora e crítica à Indústria Cultural
Vítor Nicolau
Ensaio sobre a metáfora na obra de Bill Watterson.
Humor em pílulas: a força criativa das tiras brasileiras
Henrique Magalhães
As tiras de humor como expressão dos quadrinhos no país.
Angeli e a República dos Bananas
Keliene Christina da Silva
A política vista pela obra do cartunista Angeli.
Tiras livres: um novo gênero dos quadrinhos
Paulo Ramos
Ensaio sobre as transformações das tiras brasileiras.