O estudo visa compreender de que forma a metáfora é utilizada nas tirinhas, tanto na sua linguagem verbal quanto não-verbal.

 

Calvin & Haroldo:
metáfora e crítica à Indústria Cultural


Vítor Nicolau
Paraíba: Marca de Fantasia, 2009.
Série Quiosque, 22. 122p. 12x18cm. R$25,00.
ISBN 978-85-87018-93-9

As tiras de quadrinhos surgiram no jornalismo no início do século 20 e seguem ainda hoje sendo publicadas nos maiores jornais de todo o mundo. Embora se encontre tiras sequenciais de aventuras, é no humor que elas têm sua força comunicativa e expressiva, sintetizando o pensamento do autor, o senso comum e a crítica às idiossincrasias que assolam o ser humano.

Apesar de sua presença incontornável em nossa leitura diária, as tirinhas muitas vezes são tidas como mero entretenimento e boa parte delas não visa mais que esse objetivo. Contudo, a partir da década de 1970, as tiras brasileiras tomaram o fôlego necessário para se converter num veículo de crítica social e ao poder estabelecido, refletindo o pensamento contestador de artistas e de movimentos sociais. Vale citar o trabalho profícuo de Henfil, com Zeferino, As Cobras, de Veríssimo e O Pato, de Ciça, entre tantos que surgiram no Brasil nas últimas décadas.

Não só no país as tiras se tornaram um gênero jornalístico opinativo, como nos propõe o ensaio Tirinha: a síntese criativa de um gênero jornalístico, de Marcos Nicolau, lançado na Coleção Quiosque da editora Marca de Fantasia. Como observa Vítor Nicolau, as tirinhas de Calvin & Haroldo, de Bill Watterson, trazem “as mesmas discussões sobre nossa sociedade, mas de uma maneira sutil, na visão inocente de uma criança que ainda está aprendendo o que é o mundo e como ele funciona.”

Foi para investigar esse fenômeno das tiras diárias produzidas por Watterson por 10 anos, mas que ainda continuam circulando nos dias atuais, que Vítor dedicou seu projeto final do Curso de Comunicação Social da Universidade Federal da Paraíba. O estudo resultou nesta brilhante análise, que visa compreender de que forma a metáfora é utilizada nas tirinhas, tanto na sua linguagem verbal quanto não-verbal, baseado na Teoria Semiótica de Peirce e na Teoria Conceptual proposta por Kakoff e Johnson.

Para o desenvolvimento de seu estudo, Vítor selecionou seis tirinhas de Calvin & Haroldo, publicadas na coletânea O Mundo é mágico. O trabalho gira em torno da metáfora “Indústria Cultural é alienação”, que dá tema às tirinhas selecionadas devido à relação do personagem com os meios de comunicação de massas e a mídia.

Formato de quadrinhos tão apreciado, mas tão pouco estudado, as tirinhas começam a despertar a atenção da academia gerando ensaios e dissertações que procuram compreender as várias dimensões e possibilidades de sua linguagem. O trabalho de Vítor, com certeza, dá uma grande contribuição para isto.

Henrique Magalhães


 Mais livros sobre quadrinhos pela Marca de Fantasia
Tensões políticas e culturais em Rê Bordosa
Yuri Saladino
A obra de Angeli vista como construção política e cultural dos anos 1980.
Angeli e a República dos Bananas
Keliene Christina da Silva
A política vista pela obra do cartunista Angeli.
Tirinha: síntese criativa de um gênero jornalístico
Marcos Nicolau
Ensaio sobre vários aspectos da criação de tiras humorísticas.
Tiras livres: um novo gênero dos quadrinhos
Paulo Ramos
Ensaio sobre as transformações das tiras brasileiras.
Humor em pílulas: a força criativa das tiras brasileiras
Henrique Magalhães
As tiras de humor como expressão dos quadrinhos no país.


Marca de Fantasia
Outubro de 2017

  Editor: Henrique Magalhães
  Rua Maria Elizabeth, 87/407 João Pessoa, PB. Brasil. 58045-180
  Tel.: (83) 998.499.672

  
  Pedidos por transferência ou depósito bancário:
  Banco do Brasil.
  Agência 1619-5, Conta 41626-6.
  Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

  Contato: marcadefantasia@gmail.com
  www.marcadefantasia.com