Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

O preço das publicações já inclui a postagem como carta simples.

Envie por e-mail o número da agência onde for feito o depósito, seu pedido  e o endereço para entrega.

Contato
editora@marcadefantasia.com
www.marcadefantasia.com











Um homem, um cavalo, uma pistola:
o spaghetti western, seus primórdios e sua herança

Um homem, um cavalo, uma pistola: o spaghetti western, seus primórdios e sua herança
Márcio Salerno
Série Veredas, 17
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2010. 68p. Ebook em pdf. R$5,00.
ISBN 978-85-7999-014-4
Amostra

O título deste ensaio toma emprestado outro, o de um dos mais de 600 spaghetti westerns realizados, entre 1964 e 1976, por produtores, diretores e roteiristas italianos, na maioria dos filmes utilizando o cenário de Almeria, sul da Espanha, como locação. O filme está bem longe de ser um dos melhores exemplos do gênero, mas seu título dá uma boa introdução ao que esperar destas produções, que tinham na violência exacerbada seu principal atrativo.

Mas nem só de violência sem sentido foram feitos os spaghetti westerns, nome que aponta para o fato de os filmes serem um sub-gênero de outro, ou seja, o western propriamente dito, nascido na América do Norte e pertencente ao povo de lá, desde a época dos pioneiros. Mesmo sendo detestados pela crítica, muitos destes filmes destacavam atores americanos, alguns deles tendo alcançado fama definitiva, no futuro, graças ao fato de terem participado de produções européias, no início de suas carreiras.

No Brasil as produções, naquela época, costumavam aportar em nossas salas com cerca de dois anos de atraso, quer dizer, filmes produzidos em 1964 chegaram aqui em 66, os produzidos em 65, em 67, e por aí vai. Quer dizer, em 1969, pelo menos na cidade onde este ensaísta se encontra, a maioria dos cinemas passava um spaghetti western atrás do outro, com algumas salas chegando a fazer festivais, com um filme por dia, tal era a oferta (e a demanda).

Com tudo isso, apesar de muito populares por aqui (e outros países do chamado Terceiro Mundo), estes filmes eram recebidos com indiferença pela crítica especializada da época, que sequer chegava a assistir aos mesmos, já “caindo de pau” em cima deles, mal eram anunciados.

Diga-se de passagem que, em muitos casos, os filmes eram mesmo um caso perdido, tão ruins que nem valia a pena gastar o ingresso para passar duas horas sem pensar nos problemas da vida. Mas há spaghetti westerns razoáveis, bons, muito bons e excepcionais. Este ensaio, claro, destaca a opinião de quem o escreve, ou seja, eu, que fui bombardeado por estes filmes justamente na época em que entrava na adolescência, tendo-os acompanhado até o início da vida adulta. Quer dizer, estas produções me marcaram muito, mas tenho certeza que não estou sozinho nessa.

Márcio Salerno

   Mais ensaios da série Veredas pela Marca de Fantasia
A pulp fiction de Guimarães Rosa
Braulio Tavares
2008. 80p. 13x19cm.
O fantástico na obra de Guimarães Rosa.
Zé Ramalho: o profeta do Terceiro Milênio
Isaac Soares de Souza
2008. 88p. 13x19cm.
Biografia cantor e compositor paraibano por um de seus ardorosos fãs.
Blogs: cultura convergente e participativa
Ricardo Oliveira
2010. 80p. 13x19cm.
A inovação da mídia digital de forma colaborativa e convivial.
Caligari: do cinema aos quadrinhos
Gian Danton
2010. 44p. Ebook em pdf grátis, sob demanda.
Análise sobre o filme clássico do expressionismo alemão e sua adaptação aos quadrinhos.
As (in)definições críticas da Ficção Científica brasileira contemporânea
Arnaldo Pinheiro Mont'Alvão Júnior
2010. 193p. Ebook em pdf.
Análise sobre a crítica à Ficção Científica.




 INDEX  EDITORIAL  ÁLBUNS  LIVROS  REVISTAS  CAMARADAS