Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 9.8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

O Sertão é coisa de cinema
O Sertão é coisa de cinema
Matheus Andrade
Série Veredas, 6.
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2008. 76p. 13x19cm. R$15,00.
ISBN 978-85-87018-84-7

O Sertão, com sua aridez, é o espaço geográfico e imagético mais representativo do Nordeste brasileiro. A partir do século XX a seca passou a representar simbolicamente a região, sendo que no cinema nacional o espaço da seca ganhou destaque. Os cineastas escolheram o Sertão para a composição de várias das narrativas que fazem parte da história cinematográfica brasileira.

Essa capacidade de representação, junto à verossimilhança inata, atribui ao cinema um poder autoritário enquanto produtor de sentido, operador discursivo e construtor de ideias. Dessa maneira, o cinema brasileiro instaurou uma dada visibilidade no imaginário social do país, propalou uma forma definida de pensar sobre a região, contribuiu para instaurar uma maneira singular de se observar o Nordeste através do espaço da seca.

Nesse contexto, o modo como o Sertão nordestino em seus períodos de estiagem é representado no cinema brasileiro dão margem para que se coloque a questão: o Sertão é coisa de cinema? Se for ou não coisa de cinema, o que interessa não é incriminar os cineastas por mostrarem a miséria da região. Eles têm lá seus motivos. Interessa, aqui, perceber a regularidade enunciativa com que se apresenta o Sertão árido e miserável nos discursos fílmicos, num jogo de imagens da secura nordestina no trajeto das produções.

Enquanto se percebem os enunciados, contempla-se, consequentemente, mais um estilo de filmes brasileiros: o Cinema da Seca. De maneira didática e concisa, este trabalho aponta como se constituiu o perfil do Nordeste como região da seca. Traça-se um levantamento de quando e como o Sertão começa a ser representado no cinema brasileiro, suas primeiras aparições, as quais reverberam o discurso em questão sobre a região Nordeste. Faz-se um levantamento de filmes que abordam essa temática em suas narrativas, em perspectivas diversas. Enfim, relata-se dois acontecimentos ocorridos na história do cinema nacional que contribuem com a reflexão sobre o tema da seca no cinema. Isto propõe, sobretudo, questões outras a respeito da visibilidade sobre o Nordeste, pois todo esse espaço geográfico e imaginário não se resume à seca.

  Mais obras sobre audiovisual e ficção pela Marca de Fantasia
Um homem, um cavalo, uma pistola: o spaghetti western, seus primórdios e sua herança
Márcio Salerno
Ensaio sobre os filmes de far west produzidos pelos italianos.
As (in)definições críticas da Ficção Científica brasileira contemporânea
Arnaldo Pinheiro Mont'Alvão Júnior
Análise sobre a crítica à Ficção Científica.
Caligari: do cinema aos quadrinhos
Gian Danton
Análise sobre o filme clássico do expressionismo alemão e sua adaptação aos quadrinhos.
Crossmídia e Transmídia no Jornalismo: convergência, memória e hipermídia no Globo Esporte
Allysson Viana Martins.
Mimesis & simulação: estudos narrativos transmídia - 1
Marcelo Bolshaw Gomes.