Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 988.851.211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Abril de 2016

Homens nordestinos em cena:
Relações/tensões de masculinidades em As Velhas, de Lourdes Ramalho
Homens nordestinos em cena: Relações/tensões de masculinidades em As Velhas, de Lourdes Ramalho
João Dantas Filho
Série Veredas, 26.
João Pessoa: Marca de Fantasia

1ed. digital (pdf), 2012, 184p. R$5,00.
ISBN 978-85-7999-043-4
.

2ed. impressa, 2016, 136p. 15x21cm. R$25,00.
ISBN 978-85-67732-52-7.

Em maio de 2007 João Dantas Filho defendia a dissertação de Mestrado “Homens nordestinos em cena: Relações/tensões de masculinidades em As Velhas, de Lourdes Ramalho”, no Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal da Paraíba. A pesquisa teve duração de dois anos, foi iniciada com orientação da professora Doutora Valéria Andrade e no segundo ano, até a conclusão, com orientação do professor Doutor Diógenes André Vieira Maciel. A edição que sai agora pela Marca de Fantasia traz o texto na íntegra, um texto claro e elegante, nos parâmetros do rigor acadêmico, mas sem deixar de oferecer uma leitura extremamente prazerosa, mesmo para quem não conhece a obra da dramaturga paraibana.

O trabalho analisa as personagens masculinas no texto teatral As Velhas, de Lourdes Ramalho, visando compreender os procedimentos estéticos que a dramaturga utiliza, no sentido de apresentar, mediante a formalização estética, visões em torno das masculinidades em nossa sociedade. Para o autor, os estudos de gêneros possibilitaram a construção de argumentos de caráter teórico-crítico, formando as bases das perspectivas pertinentes à proposta de interpretação e análise deste texto dramatúrgico.

No transcorrer do estudo, João trata da noção de masculinidade hegemônica versus masculinidade subalterna, travando-se um diálogo com a sua fortuna crítica, além de questões direcionadas à compreensão dos tipos regionais nordestinos, o que conduz a uma primeira análise das masculinidades em textos como As VelhasOs mal-amadosRomance do Conquistador e O trovador encantado. As dinâmicas de gênero em As Velhas são examinadas de modo a desenvolver um traçado entre a construção textual e a ação, prosseguindo com a análise dessas relações/tensões, mediante as personagens e a organização da ação dramática.

Dessa forma, na visão do autor, temos em Chicó e José, personagens da obra em foco, uma representação da “crise” entre um patriarcado que sucumbe e o processo de reação e tomada de posição das matriarcas, simbolicamente apontando para um lugar de conflito entre valores modernos (como os da defesa do direito coletivo) e as velhas estruturas, sejam aquelas do mundo senhorial sejam aquelas do poder das mães.

João Dantas conclui que em As Velhas, ao representar artisticamente este embate, a dramaturga vê na solidariedade feminina (quando as duas mulheres partem para ajudar os filhos) a possibilidade de resgate dos valores coletivos na medida em que o “sacrifício” dos rapazes aponta para a derrocada das velhas estruturas sociais.

H. Magalhães
   Mais obras da série Veredas pela Marca de Fantasia

A pulp fiction de Guimarães Rosa
Braulio Tavares
O fantástico na obra de Guimarães Rosa.

O Sertão é coisa de cinema

Matheus Andrade
A representação do Sertão nordestino no cinema brasileiro.

O discurso dos ursos: outros modos de ser da homoafetividade
JJ. Domingos
Estudo sobre o "urso"
no universo da homossexualidade.

Blogs: cultura convergente e participativa
Ricardo Oliveira
A inovação da mídia digital de forma colaborativa e convivial

O CAC faz você dançar: uma etnocartografia das performances masculinas no bairro do Rangel em João Pessoa-PB
Adriano de León
Pesquisa etnográfica sobre o lazer na periferia da cidade.