Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 9.8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Miracleman: um outro mito ariano
Miracleman: um outro mito ariano
Márcio Salerno
Série Quiosque, 6.
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2004. 64p. 12x18cm. R$15,00.
ISBN 85-87018-38-8.

Os super-heróis como apresentados em meados do século XX não existem mais. Sua ingenuidade voluntariosa, sua apologia ao bem e à justiça deram lugar à supremacia da força e à sede de poder. Alguns chegaram mesmo a se converter em maus, como se deu com o jovem Kid Miracleman, o mais novo dos personagens da família Miracleman.

As histórias simplórias do bem contra o mal se transformaram em enredos rebuscados e repletos de referências bibliográficas, quem sabe para dar um caráter mais adulto e verossímil a um mundo em sua gênese fantasioso. Na década de 1960 já tínhamos a trama dramatizada e problematizada de personagens como Homem Aranha e Capitão América. Era uma forma de aproximar o mundo fantástico do mundo real dos jovens leitores da ficção alucinada dos super-heróis. O resultado foi a transformação completa desse universo mitológico, mudando os rumos de um gênero em vias de esgotamento.

A evolução dessa diretriz levou mesmo à própria negação do super-herói, como se vê em Batman, O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller, onde um personagem envelhecido e psicótico não distingue mais os limites entre o bem e o mal. Mas, talvez os trabalhos mais complexos em função de sua linguagem, conceito e referências sejam as séries Monstro do Pântano, Sandman, Watchmen e, é claro, Miracleman.

Miracleman, tendo sido criado como Marvelman em substituição ao Capitão Marvel por motivos judiciais, sofreu, da mesma forma, uma série de percalços na sequência de seu desenvolvimento, com interrupções de sua produção. A retomada do personagem pelo roteirista Alan Moore trouxe uma verdadeira renovação aos quadrinhos.

Para Márcio Salerno, Alan Moore, com Miracleman, praticamente inaugurou a tendência do uso de referências intelectuais, populares, artísticas e underground nas HQ adultas, utilizando, em particular, os conceitos do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Miracleman viria a ser o personagem que encarnaria com mais perfeição o mito do Super-Homem. Trata-se aqui não do Superman, personagem de Jerry Siegel e Joe Schuster, mas do mito ariano preconizado por Hitler e o Nazismo, o homem superior, perfeito, de corpo e alma absolutamente sadios.

O propósito de Márcio Salerno com este ensaio é revelar aos leitores o que está por trás da série Miracleman e sua aproximação com o mito nietzscheano. A ideia de que o poder corrompe adquire uma escala superlativa ao se aplicar ao superpoder. É justamente esta a ideia que permeia a criação de Miracleman.

H. Magalhães

  Mais estudos sobre heróis pela Marca de Fantasia
Watchmen e a teoria do caos
Gian Danton
Análise sobra a obra clássica em quadrinhos de Alan Moore.
O escudo manchado: um herói em tempo de guerra
Daslei Bandeira
As transformações do Capitão América e sua relação com as guerras.
Codinome V: o herói em V de Vingança
Victor S. Pinheiro
A tranformação dos quadrinhos com o advento das graphic novels.
O cinematográfico, o pós-moderno e o mágico no mundo dos quadrinhos
Márcio Salerno
Ensaio sobre a obra de Frank Miller, Alan Moore e Grant Morrison.
Das nuvens ao asfalto: construção da realidade em "Alias: codinome investigações"
Marcelo Soares.
Análise sobre a renomada série em quadrinhos.