Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 988.851.211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Agosto de 2016

História em Quadrinhos infantil
História em Quadrinhos infantil: leitura para crianças e adultos
Roberto Elísio dos Santos
Série Quiosque, 15.
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2006. 84p. 12x18cm. R$20,00.
ISBN 85-87018-59-0

Os críticos das Histórias em Quadrinhos costumam considerá-las, de forma preconceituosa, como um tipo de literatura infantil que conteria uma visão ingênua do mundo, utilizaria uma linguagem fácil de ser assimilada e seria apenas um material de entretenimento destituído de validade artística.

No entanto, o trabalho de roteiristas e desenhistas de quadrinhos levou ao seu reconhecimento como a Nona Arte. Atualmente, essa forma de comunicação visual impressa ocupa lugares nobres, como os museus, é adaptada para o cinema e para a TV e ganha a atenção de pesquisadores universitários de diversos países.

Quanto à linguagem e ao conteúdo, as histórias em quadrinhos tornaram-se mais complexas e, hoje, atingem leitores de idades e faixas socioculturais as mais diversas. Até as histórias protagonizadas por crianças são dirigidas para um leitor adulto e sofisticado, a exemplo das tiras de Charlie Brown ou de Mafalda.

Primeiro gênero da arte sequencial impressa, as histórias em quadrinhos infantis (denominada nos Estados Unidos de kid-strips, ou tira de crianças) surgem como histórias ilustradas realizadas por artistas alemães na segunda metade do século XIX, nas quais eram narradas as travessuras de crianças, como Max e Moritz.

Quando os jornais norte-americanos passam a publicar ilustrações e tiras de quadrinhos para atrair os leitores, as histórias estreladas por garotos peraltas alcançaram sucesso de público, inicialmente adulto. Com o lançamento dos suplementos de quadrinhos dominicais publicados em cores, as crianças passaram a ser leitores dessas narrativas sequenciais impressas, embora algumas, como Little Nemo, apresentassem inovações estéticas e temáticas que só os adultos compreendiam.

Com o tempo, as histórias estreladas por personagens infantis passaram a transitar pelo universo adulto e a tratar de problemas típicos da maturidade. Até hoje, há uma grande produção de histórias e tiras protagonizadas por crianças, feitas tanto para o público infantil como para o adulto, sendo realizadas no Japão, na Europa, nos Estados Unidos, no Brasil e em outros países latino-americanos.

   Mais obras sobre fanzine pela Marca de Fantasia
Humor em pílulas: a força criativa das tiras brasileiras
Henrique Magalhães
As tiras de humor como expressão dos quadrinhos no país.
Quadrinhos & outros bichos
Wellington Srbek
Análise sobre os quadrinhos e outras produções da Indústria Cultural.
O escudo manchado: um herói em tempo de guerra
Daslei Bandeira
As transformações do Capitão América e sua relação com as guerras.
Tirinha: síntese criativa de um gênero jornalístico
Marcos Nicolau
Ensaio sobre vários aspectos da criação de tiras humorísticas.
Falas & Balões: a transformação dos textos nas Histórias em Quadrinhos
Marcos Nicolau
Estudo com enfoque nos textos das HQ de aventura.