Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 998.499.672

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Setembro de 2016

Charlie Hebdo em cenário de secularização
e escatologia moderna
Charlie Hebdo em cenário de secularização e escatologia moderna
Fabio Mourilhe
Série Quiosque, 45.
Paraíba: Marca de Fantasia, 2016. 80p. 14x20cm.
ISBN 978-85-67732-58-9



O ensaio de Fabio Mourilhe sobre o Charlie Hebdo tem por objetivo tratar dos aspectos relacionados à prática e ao espírito do jornal satírico francês por ocasião do assassinato de membros de sua equipe. Para atingir tal intento, o autor considera de antemão a modernidade como aquela que se apropria do padrão escatológico cristão de forma secularizada, tal qual é apontado por Löwith, o que indica uma especificidade para as ideias de “fim da história” e “fim da arte” em Hegel.

Os objetivos específicos incluem apresentar o semanário, delimitar as características e consequências do atentado, determinar os aspectos mais significativos indicados pela comissão sobre laicidade, analisar o extremismo islâmico e suas polarizações, e verificar o método específico do Charlie Hebdo de combate ao extremismo. A prática da secularização na França atual serviria para justificar e defender os posicionamentos assumidos no Charlie Hebdo. A escatologia moderna, presente nas ideias de fim da arte e fim da história, permite que nos aprofundemos na questão.

Não se pode falar em um fim sem que se considere um começo, pois aqui há sobrevivência e morte. Com artistas que expõem sua opinião e, mesmo sabendo que correm risco, pagam com a própria vida, temos uma proximidade com a concepção do humor, como a destruição da arte por ela mesma.

Fabio Mourilhe é pesquisador de pós-doutorado da EBA/UFRJ, onde desenvolve trabalho sobre Angelo Agostini, a Academia Imperial de Belas Artes e a convergência de humor e crítica de arte no século XIX. Em 2014 defendeu a tese "A estética do grotesco nos quadrinhos", no Doutorado em Filosofia do IFCS/UFRJ. Em 2013 fez Doutorado-sanduíche com Richard Shusterman na FAU (EUA). É Mestre em Design pela PUC-Rio e Bacharel em Filosofia pela UERJ. Desde 2012 dá aula sobre quadrinhos e filosofia para os cursos de Graduação em Filosofia no IFCS/UFRJ. Desenvolve pesquisas sobre "Sandman", de Neil Gaiman, além de fazer articulações dos quadrinhos com filosofia, arte, grotesco, erotismo e aspectos éticos e políticos a partir do Charlie Hebdo. É autor de diversos livros, dentre eles "O quadro nos quadrinhos" e "Cuidado de si e aufklarung: caminhos para a vida como obra de arte".

   Mais obras sobre humor e quadrinhos pela Marca de Fantasia
Humor em pílulas: a força criativa das tiras brasileiras
Henrique Magalhães
As tiras de humor como expressão dos quadrinhos no país.
Tirinha: síntese criativa de um gênero jornalístico
Marcos Nicolau
Ensaio sobre vários aspectos da criação de tiras humorísticas.
Tiras livres: um novo gênero dos quadrinhos
Paulo Ramos
Ensaio sobre as transformações das tiras brasileiras.
Calvin & Haroldo: metáfora e crítica à Indústria Cultural
Vítor Nicolau
Ensaio sobre a metáfora na obra de Bill Watterson.
O riso que liberta
Wellington Srbek
A força demolidora do humor por meio das expressões gráficas.