Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

O preço das publicações já inclui a postagem como carta simples.

Envie por e-mail o número da agência onde for feito o depósito, seu pedido  e o endereço para entrega.

Contato
editora@marcadefantasia.com
www.marcadefantasia.com











Macambira e sua gente

Macambira e sua gente
Henrique Magalhães
Série Das tiras coração, 15, 3ª ed. João Pessoa: Marca de Fantasia, 2008. 60p. 14x20cm. R$10,00.
ISBN 978-85-87018-80-9

Há públicos diferentes para diferentes séries de História em Quadrinhos no formato tira. Parece não haver novidade nenhuma nessa afirmação. Mas vou me restringir a um aspecto específico da expectativa do leitor em relação à leitura de uma tira.

Há um tipo de leitor que busca, em sua tira preferida, encontrar algo que seja familiar, algo que lhe dê o “conforto do conhecido”. É claro que é preciso que cada tira tenha uma piada diferente, mas não pode ser muito diferente, é preciso se manter dentro da expectativa do leitor. A sensação de familiaridade deve ser preservada. Tiras famosas como Garfield, por exemplo, se encaixam nesta categoria. O leitor de Garfield sente satisfação em ler, periodicamente, uma tira em que o gato diz que odeia a segunda-feira. Esta repetição exaustiva corresponde à expectativa deste leitor. Mesmo que a piada em si não tenha graça, a simples repetição de uma situação conhecida, às vezes com pequenas alterações, satisfaz este leitor. Este recurso da repetição pode ser usado de uma maneira mais elaborada, às vezes com resultados muito bons. Goscinny usava este recurso em várias séries que escreveu. Astérix sempre terminava com um banquete na aldeia dos gauleses. Lucky Luke sempre acabava com o herói cantava sua musiquinha em direção ao poente, e assim por diante. Nos programas humorísticos televisivos, feitos de esquetes, a regra geral é o uso de um bordão que se repete sempre, para alegria dos espectadores.

Há, no entanto, outro tipo de expectativa perseguido por um tipo diferente de leitor. Há um leitor que, ao ler uma tira, quer ser surpreendido, quer encontrar o inesperado, ou ainda, quer ser contrariado em sua expectativa. Este leitor quer justamente conhecer coisas novas e corre o risco de entrar em ambientes não familiares. Aquela sensação de conforto é substituída pela sensação de descoberta.

Na série Macambira e sua gente, Henrique Magalhães escreve para este segundo tipo de leitor, mais crítico, mais exigente. Os personagens da série são tipos que freqüentemente são discriminados pela sociedade, seja pela opção sexual, seja pela opção profissional, seja pela opção religiosa. E embora o universo tratado na série não seja o usual nas tiras de quadrinhos, o que torna esta série diferente é a maneira como Henrique imprime personalidade em seus personagens. Macambira, Rico, Anegadu, Lelê, Maçola, entre outros, são personagens com personalidades bem construídas, com comportamentos coerentes, mas capazes de surpreender com suas atitudes. Ler uma tira de Macambira é ir ao encontro do desconhecido, é não prever o desfecho da aventura, ou talvez seja, simplesmente, conhecer gente nova, fazer novas amizades.

Macambira certamente é uma série diferente que pede sua apreciação a um leitor diferente. Que entenda a diferença.

Edgard Guimarães

   Mais álbuns da série "Das tiras coração" pela Marca de Fantasia
GAG: as melhores tiras humorísticas
Henrique Magalhães (org)
2009. 60p. 14x20cm.
Tiras selecionad
as no concurso GAG.
Ber the bear
Rafael Lopes
2010. 60p. 14x20cm.
O universo homossexual dos "ursos" tratado com ironia.
GAG: o humor é o motor
Henrique Magalhães (org)
2011. 60p. 14x20cm.
Tiras selecionad
as no concurso GAG.
Rendez-vous
Henrique Magalhães
2ª ed, 2005. 52p. 14x20cm.

Galeria de personagens marginalizados ou excluídos.
Bartolo
Cristovam Tadeu

1998. 52p. 14x20cm.

Tiras sobre o universo clássico do bebum.




 INDEX  EDITORIAL  ÁLBUNS  LIVROS  REVISTAS  CAMARADAS