Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 998.499.672; 988.851.211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

Envie por e-mail cópia do comprovante de depósito e o endereço para entrega.

Contato
marcadefantasia@gmail.com
www.marcadefantasia.com

Atualizado em junho de 2016

Katita: tiras sem preconceito
Katita: tiras sem preconceito
Anita Costa Prado & Ronaldo Mendes
Série Das tiras coração, 13, 2ª ed. João Pessoa: Marca de Fantasia: 2009. 60p. 14x20cm. R$15,00.
ISBN 978-85-87018-91-5
Edição digital gratuita: Katita

Nas formas de expressão artística em geral e nas Histórias em Quadrinhos em particular, pode-se identificar dois tipos de comportamento do autor em relação à obra produzida. Num primeiro tipo, o autor submete o tema à obra, num segundo, submete a obra ao tema. Explicando melhor, ao realizar uma obra, um autor pode partir de um tema e, à medida que o desenvolve, pode mudá-lo, modificá-lo, mesmo alterá-lo drasticamente, se achar que isto tornará a obra melhor. Neste caso, a obra prevalecerá sobre o tema. Mas um autor pode ter um comportamento oposto, partir de um tema que lhe é caro, e ao realizar sua obra, manter a todo custo a integridade do tema. Este é o caso de autores que mantêm algum tipo de militância e cuja obra é veículo para a difusão de suas ideias.

Henfil declarou em uma entrevista que era primeiro um político e depois um artista. Suas HQs, cartuns e charges tinham função fundamentalmente política, seu objetivo era participar ativamente do processo de mudança política do Brasil. Mesmo se impondo esta restrição, Henfil soube criar uma obra de grande valor artístico. E este é o grande desafio do artista que privilegia o tema: produzir uma obra de arte.

Anita Costa Prado há algum tempo é militante das causas homossexuais, em particular do feminino, contra os preconceitos de toda espécie, e tem se expressado como escritora, poeta, incentivadora cultural. Dentre suas várias atividades, criou uma personagem, a Katita, e tem batalhado pela sua difusão nas mais variadas formas, desde ilustrações, camisetas, até as tiras de quadrinhos. Para a realização das tiras, Anita buscou parceria para os desenhos, que já foram feitos por outras pessoas, e atualmente encontrou em Ronaldo Mendes o artista ideal, com um traço bem definido e agradável e com grande capacidade de produção. Nas tiras que escreve, Anita assume que privilegia o tema, ou seja, suas tiras são o veículo para sua militância. Esta opção, que é consciente, tem seu pró e seu contra. Ao tratar diretamente dos vários aspectos relacionados ao tema central, Anita fala com mais eficácia aos leitores que se interessam pelo assunto. E não apresenta maior atrativo para os leitores que não têm interesse especial pelo tema. Com isso restringe seu universo de leitores, embora dialogue melhor com este público. Uma vez que o público a que se dirige está bem definido, Anita se permite ser direta, explícita, às vezes doutrinadora, às vezes panfletária, pois é isto que o público espera.

No entanto, muitas vezes, mesmo mantendo o tema como prioridade, Anita não escapa de produzir tiras de interesse geral, onde o humor, a sacada inteligente se sobressai. Estas tiras podem ser usadas para estabelecer contato com o leitor comum, aquele que busca a leitura de uma tira apenas para o entretenimento, para a diversão. Para a publicação em veículos de maior circulação, com um público bastante heterogêneo, este requisito precisa ser observado. E neste caso é preciso bastante cuidado para que a força da mensagem não seja perdida. Não à toa Ferreira Gullar dizia: “Traduzir uma parte na outra parte, que é uma questão de vida e morte! Será Arte?”

Edgard Guimarães


Resenha da primeira edição:

Katita, Tiras sem preconceito

O livro Katita: tiras sem preconceito, que reúne 86 tiras em preto e branco, escritas por Anita Costa Prado e ilustradas por Ronaldo Mendes, foi o grande responsável por sua autora levar para casa os troféus de Melhor Lançamento e Melhor Escritora de 2006 no 23º Prêmio Angelo Agostini. Um texto de apresentação assinado por Edgard Guimarães, Militância e Quadrinhos, abre a publicação falando sobre o trabalho de Anita.

Inspirada em situações do seu cotidiano, Anita criou Katita e os diversos personagens que convivem com a moça (estes inspirados em amigos da escritora) para trazer ao público de Quadrinhos uma mensagem de “não ao preconceito”. Com muito bom humor, a autora mostra a lésbica Katita, grande defensora dos homossexuais, “cutucando” em algumas tiras o preconceito contra as pessoas consideradas de baixa estatura ou fora do peso ideal. A personagem não tem papas na língua para expor sua opinião sobre machismo, programação de TV, o destino final dos preconceituosos, propaganda política recebida pelo correio, revistas de fofoca e fast food, entre outros assuntos “polêmicos”.

A grande maioria das tiras explora as preferências sexuais de Katita, que namora, admira e/ou “canta” as mulheres que encontra pela frente, mas também há piadinhas sobre gírias (peludinha, perereca, periquita), namoro por Internet, futebol, seios turbinados, comida, Parada do Orgulho Gay... Em Katita: tiras sem preconceito, os diálogos criados pela paulistana Anita Costa Prado encontraram seu par perfeito nos desenhos do cearense Ronaldo Mendes, que possui um traço limpo e agradável.

Além da qualidade dos textos e desenhos, o fato de não haver qualquer tipo de preconceito (apenas o combate a esse mal) nessas tiras criadas por Anita é motivo de sobra para que elas sejam conhecidas por um grande público, objetivo que começou a ser alcançado com a publicação desse livro. E talento é talento, não importando o sexo, cor, credo, tamanho, peso, idade ou grau de instrução (ou qualquer outra coisa) de quem o tem.

Humberto Yashima

http://www.bigorna.net/index.php?secao=lancamentos&id=1172638870
Publicado em 28/02/2007


Um ano de glória para Anita

2007 começou de forma muito favorável para a editora Marca de Fantasia. De uma só vez o álbum Katita, tiras sem preconceito, de Anita Costa Prado & Ronaldo Mendes, ganhou em duas categorias do prêmio Angelo Agostini. Anita foi aclamada como a melhor roteirista de 2006 e o álbum, o melhor lançamento daquele ano. Em se tratando de produção de uma editora independente, que trabalha com recursos exíguos e com circulação restrita, torna-se surpreendente a premiação, reforçando ainda mais a qualidade e importância do trabalho de Anita.

Temos que considerar que o prêmio Angelo Agostini, atribuído pela AQC-ESP (Associação dos Quadrinhistas e Caricaturistas do Estado de São Paulo) com a participação de artistas, críticos e público, baseia-se na produção nacional, o que inclui a produção das editoras comerciais. Na premiação desse ano, o meio independente tornou-se protagonista, endossando a ousadia de nosso projeto editorial.

Katita não é, absolutamente, uma personagem comum. Tampouco uma personagem fácil, consensual. O universo da homossexualidade, que é seu tema central, é raramente abordado em nossos quadrinhos, e muito menos quando se trata da homossexualidade feminina. Lembremo-nos que o meio é dominado quase que exclusivamente pelos homens, e não raro percebemos um ranço machista em sua produção, em suas piadas, e mesmo em suas conversas informais do cotidiano. A presença de Anita e Katita nesse universo vem sacudir o marasmo do senso comum e provocar um certo grau de tensão.

Antes de Katita nós tivemos algumas incursões da personagem Maria, de nossa autoria, no universo lesbiano, seja explicitamente, no álbum Amor: a maior das subversões, de 1983, seja de forma sub-reptícia, nas entrelinhas de sua relação amigável e carinhosa com a personagem Pombinha. No entanto, é em Katita que a homossexualidade se mostra de forma mais vigorosa e espontânea, como um grito de afirmação da legitimidade de um desejo que, apesar dos ventos liberais que vivemos nos dias atuais, continua um sentimento enquadrado no cômputo das coisas malditas.

Anita trabalha com precisão esta contradição de nossa sociedade, que persiste em se resguardar moralista num mundo pleno de permissividade. As tirinhas de Katita são quase sempre irônicas em seu protesto contra a hipocrisia, a estupidez, a ignorância e todo gênero de preconceito. O humor tem esta capacidade eficaz de tocar em temas espinhosos sem chocar demasiadamente. É desta característica tão cara às tirinhas brasileiras que Anita tira proveito, dando vazão a sua veia ora militante, ora farrista, trazendo ao primeiro plano o amor entre as mulheres num mundo onde é comum as mulheres não passarem de companheiras dos homens, a ocupar um lugar secundário na vida real e em sua representação gráfica, nas histórias em quadrinhos.

Sem dúvida, o prêmio Angelo Agostini abre perspectivas e promove a exposição do trabalho de Anita. Contudo, muito antes da aclamação, Anita já demonstrava uma garra incansável para tornar sua personagem uma referência no meio de interesse homossexual e das próprias histórias em quadrinhos, participando de eventos, dando entrevistas, vendendo o álbum em livrarias e de mão em mão, no velho estilo da geração mimeógrafo. Este trabalho persistente foi também um passo decisivo para seu reconhecimento, o que contribuiu para também arrastar em sua projeção o nome da editora Marca de Fantasia. Por tudo isso, Anita é um exemplo de não acomodação, a fustigar tantos jovens e veteranos autores que se perdem em desânimo e lamentações.

H. Magalhães

   Mais homossexualidade nos quadrinhos pela Marca de Fantasia
Katita: o preconceito é um dragão
Anita Prado & Ronaldo Mendes
Tiras sobre a homossexualidade feminina.
Katita: maré-cheia... de sereia
Anita Prado & Ronaldo Mendes
O universo da homossexualidade feminina nas tiras de Katita.
Amores plurais: quadrinhos e homossexualidade
H. Magalhães (org.)
Quadrinhos de vários autores, selecionados em concurso
Camila  
Julie Albuquerque
A transexualidade e o rock nos quadrinhos
Macambira e sua gente
H.
Magalhães
A homossexualidade pelo viés do humor.