Editor: Henrique Magalhães
Rua Maria Elizabeth, 87/407
João Pessoa, PB. 58045-180
Brasil
Tel: (83) 8885.1211

Pedidos por transferência ou depósito bancário:
Banco do Brasil
Agência 1619-5
Conta 41626-6.

O preço das publicações já inclui a postagem como carta simples.

Envie por e-mail o número da agência onde for feito o depósito, seu pedido  e o endereço para entrega.

Contato
editora@marcadefantasia.com
www.marcadefantasia.com











Happy slap!: crônicas anacrônicas de Maxx Figueiredo

Happy slap!: crônicas anacrônicas de Maxx Figueiredo
Maxx Figueiredo
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2008. 84p. 14x20cm. R$12,00.
ISBN 978-85-87018-82-3

Happy slap!: crônicas anacrônicas de Maxx Figueiredo não é, sem dúvida, um álbum ordinário. Aparentemente seria apenas uma compilação de histórias em quadrinhos de Maxx, como pode ser feito com a obra de qualquer artista. Contudo, Happy Slap! traz uma unidade que perpassa vários momentos, várias formas expressivas desse artista, em si mesmo múltiplo e complexo.

Maxx percorre com maturidade o universo das histórias em quadrinhos sejam elas longas ou curtas, passando pela linguagem sintética das tiras. Mas também envereda pela charge, pela escultura, pela animação, por cenografia, por qualquer expressão das artes gráficas. Seu trabalho, além de múltiplo, rompe fronteiras, sendo conhecido na Inglaterra, na Espanha e em Portugal. Também no Brasil Maxx já publicou em inúmeras revistas com as mais diversas linhas editoriais, como a Caros Amigos, Viver Psicologia, Sexy, Exame, Vip, Men's Health, Heavy Metal, entre outras. No campo das revistas em quadrinhos, Maxx já nos havia dado mostra de sua competência com a edição de Betty Grupy, lançada na série Graphic Talents pela editora Escala no início da década de 2000. Era uma revista para um público juvenil onde se percebia sua desenvoltura ao tratar do tema e a segurança de seu desenho no estilo cartunístico.

Em Happy slap! nós temos uma representação mais densa da obra de Maxx, mais reflexiva e crítica, chegando ao limite da experimentação gráfica e da ousadia textual. Na HQ que abre o álbum, “O amor”, por exemplo, Maxx trabalha ao mesmo tempo com o traço caricatural, a pintura, a fotografia, a escultura, meios tons e chapados, tudo guiado por um texto poético lúcido e coerente.

Outras histórias em quadrinhos apresentadas no álbum corroboram a visão crítica do autor enfocando questões sociais e dramas pessoais num universo urbano claustrofóbico e, ainda assim, fascinante e bem humorado. A HQ “A busca do absoluto” serve de síntese desse fragmento da obra de Maxx, revelando o quanto os quadrinhos podem ser expressivos como linguagem gráfica e textual.

H. Magalhães

   Mais álbuns de cartuns e quadrinhos pela Marca de Fantasia
The paraibanos de subúrbio
Laerçon Santos
2004. 52p. 14x20cm.
Irreverência, maus modos e um bom humor impagável.

A guerra dos golfinhos  
Flávio Calazans
2002. 70p. 17x24cm.
A hegemonia dos humanos leva à iminente guerra contra os seres dos oceanos.
10 Minutos
Ângelo Pastro
2004. 64p. 14x20cm.

Cartuns sobre as coisas corriqueiras e banais da vida.
Arlequim: a hora de se fazer a fantasia
Roberto & Renato Holanda
2007. 60p. 14x20cm.

Histórias fantásticas com referências literárias.
Marginal  
Shiko
2006. 52p. 14x20cm.
HQ autorais de Shiko com referências literárias.





 INDEX  EDITORIAL  ÁLBUNS  LIVROS  REVISTAS  CAMARADAS